Barroca não confirma time que enfrenta a Chapecoense

Loja Casual FC
Barroca Botafogo Chapecoense
Barroca.Treino do Botafogo no Estadio Nilton Santos. 30 de Julho de 2019, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Foto: Vitor Silva/Botafogo. Imagem protegida pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.

Na última coletiva de imprensa antes do jogo contra a Chapecoense, Barroca não confirmou a equipe titular do Botafogo que enfrenta o time catarinense, segunda (26), no Nilton Santos.

Na conversa, Barroca ainda falou sobre o momento de Pimpão no Botafogo, Léo Valência e a expectativa para o duelo contra a Chapecoense. Confira:

TIME QUE ENFRENTA CHAPE
— Ainda estou aguardando. Hoje foi o primeiro trabalho completo do Alex. Vou esperar o pós-treino para ver como ele saiu. Não tive acesso aos números, mas entendo que existe uma possibilidade de Carli e Alex atuarem.

OBRIGAÇÃO DE VENCER A CHAPE
— A obrigação da gente é com a gente mesmo. É um jogo em que o Botafogo vai jogar em casa. A gente vem de um resultado negativo. Então naturalmente a nossa cobrança é para que a gente consiga fazer resultado. O que a gente pode controlar é tentar fazer um bom jogo, se preparar bem para o jogo, fazer as cobranças em cima dos ajustes do jogo do Corinthians, para que a gente consiga fazer uma grande partida para estar mais próximo da vitória.

LÉO VALÊNCIA
— Sempre tive o Léo à minha disposição. Senão me engano, ele jogou comigo 7 ou 8 jogos. Alguns começou e outros entrou no segundo tempo – contra São Paulo e Bahia. As minhas referências de escolha são pautadas por três pontos: jogador com ele mesmo, ele com os jogadores que ele vai competir internamente e o jogo. O quanto ele foi decisivo estando em campo. O Léo está dentro do processo. Tem ido ao banco sempre. No momento que eu entender que ele deve voltar a ser utilizado, será. Tenho o maior respeito pelo Léo. Naturalmente faltam 23 jogos, ele vai voltar a ter oportunidade em algum momento.

JOGADORES DA BASE NO BR-19
— Quando cheguei aqui, falei que teria 3 objetivos: conseguir resultados a curto prazo, tentar jogar o melhor futebol possível e o terceiro ponto tentar o máximo de ativos do clube. Eu entendo que essa quantidade grande de jogadores está um pouco dentro desta lógica do início. Para mim é muito importante colocar não por colocar. Ele precisa merecer, ser melhor que alguém para vestir a camisa do Botafogo. Para os jogadores jovens o Botafogo está com essa marca de liderança, é importante ter os jogadores mais experientes para dar sustentação. Cícero, Jean, Alan Santos. Esses caras fazem o alicerces para os jovens terem o espaço. Eles sabem que têm um treinador que acredita neles. Acredito que esses jovens jogadores podem corresponder. O Marcos Soares está presente aqui na coletiva, técnico do Sub-20. Eu acabei de tirar os principais jogadores da equipe dele – Lucas Barros, Rhuan, Caio Alexandre daqui a pouco vai estar comigo. Acompanho Elivelton, Andrews, enfim, muito os jogadores. O torcedor do Botafogo por mais que queira que o Sub-20 tenha resultado, a maior vitória da categoria é ofertar talentos para o time de cima. O trabalho tem sido bem feito. Quando chegam ao profissional estão em nível legal. O trabalho está completamente agregado, troco informações com o Marcos o tempo inteiro. O valor agregado de fazer as coisas dessa forma compensa.

SEMANA DE TRABALHO
— Você consegue ter um parâmetro para trabalhar o jogo anterior e corrigir para o jogo seguinte. Ruminar o que não fizemos de bom. Semana cheia é sempre bom. E para fazer teste, experimentos.

SUBSTITUTO DO CÍCERO
— A tendência é que o Gustavo jogue no lugar do Cícero.

LUCAS CAMPOS
— Tem possibilidade, mas ainda não fechei esse conceito, porque ainda não estou com os jogadores 100%. Não posso dar essa resposta com convicção.

POSICIONAMENTO DIEGO SOUZA
— A ideia de fazer o Diego Souza contra o Coritnhians foi fazer um 4 x 3 no meio, mas não tivemos tanta efetivade porque faltou agredir um pouco a última linha deles. Os números mostram que tivemos mais posse que o Corinthians. Só ter a posse não adianta, é preciso agredir. Acho que foi bom porque atingimos o objetivo de ter mais a bola, mas faltou ser mais agressivo contra uma equipe mais sólida defensivamente.

CARLI
— Treinou hoje toda parte, mas não posso cravar porque preciso ver os números e como está a recuperação dele. Hoje foi um treino bastante intenso. Preciso ver como ele reagiu a esse estímulo.

ALTERNATIVAS
— Preciso testar alternativas para incentivar a competição. Estamos muito distante do jogo.

MARCUS VINÍCIUS
— Tenho por hábito de falar que só conheço o jogador quando trabalho com ele. Não conhecia o jogador. Ele voltou de empréstimo. Estou me relacionando só agora. Neste período tem trabalhado bem, melhorado os números. Tem um bom jogo vertical, chuta muito bom. Não percebi nada de anormal em questão física. Estou bastante satisfeito com o trabalho dele aqui comigo.

PIMPÃO
— Eu estou contando com todos os jogadores que estão aqui na sua plenitude. Pimpão já foi decisivo aqui em jogos importantes contra CSA, Vasco. Acontece de não jogar bem. Não está jogando bem. Ponto. Eu como treinador preciso tirar mais dele. O grupo como um todo precisa entender que ele é um cara importante. Todos os jogadores vão ter meu apoio. Estou contando com todos eles para que o Botafogo faça uma boa campanha.

CARACTERÍSTICA DO PIMPÃO
— Quero sempre que minha equipe jogue melhor que o adversário. Naturalmente se isso acontecer ele vai marcar menos do que jogar. É uma responsabilidade minha. O Pimpão tem uma função muito importante. O crescimento do Marcinho tem a ver com o Pimpão. Ele tem números físicos expressivos. O GPS dele explode. É um cara dedicado. Merece nosso respeito. Tem que melhorar, eu como treinador preciso saber como fazê-lo melhorar. E não é só ele. São todos os jogadores.

CONVERSA COM PIMPÃO
— Ele é um cara dedicado para caramba. Ele joga um jogo intensamente. Contra o Flamengo, sofremos defensivamente. Naturalmente quando ele teve a oportunidade, talvez já tivesse bastante desgastado. Mas é um cara que vai voltar a fazer gols, já deu alegrias à torcida do Botafogo. O meu trabalho é harmonizar, encaixar. Tenho confiança total num cara que é sério, dedicado, profissional.

O próximo compromisso do Botafogo de Barroca é segunda (26), contra a Chapecoense, às 20h, no Nilton Santos.

Comentários

Sobre Diego Mesquita 1552 Artigos
Botafoguense, 36 anos. Formado em Jornalismo pela FACHA (RJ), trabalhou como assessor de imprensa do Botafogo F.R em 2010. Hoje, é setorista independente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.