De família botafoguense, Babi revela alegria após vitória sobre Atlético-MG: ‘Ninguém dormiu’

Loja Casual FC
Babi Botafogo Atlético-MG
Foto: Vítor Silva / Botafogo

Em grande fase, o atacante Matheus Babi revelou que, depois da vitória do Botafogo sobre o Atlético-MG, no Nilton Santos, sua família — repleta de botafoguenses — demorou a dormir. Com outra boa atuação de Babi, o Alvinegro venceu não só a primeira no Campeonato Brasileiro, como também o então líder da competição.

— Em casa, meu avô, avó, meus pais, meus tios todos são botafoguenses. Se perder, já era. Mas se ganhar também, é felicidade imensa. Esse jogo contra o Atlético-MG, ninguém dormiu. A resenha até tarde – disse à Botafogo TV.

Leia mais: Botafogo não descarta negociar Pedro Raul com Internacional, mas faz exigência

Apesar da desenvoltura com a camisa do Botafogo, fora de campo Babi ainda sente o peso dos holofotes que recebe pelas atuações. O contraste é tanto que, dentro de campo, além de se destacar, é desinibido para dançar após marcar um gol.

— Dançar é mais fácil do que falar. Para falar você tem que estar concentrado para não errar. Eu começo a ficar nervoso e começo a embolar. Me atrapalho todo – confessou.

Babi Botafogo Atlético-MG
Babi foi fundamental na vitória do Botafogo sobre o Atlético-MG. Foto: Vítor Silva / Botafogo

— Dentro de campo, está sendo um trabalho bem feito. Estou procurando evoluir a cada jogo. Fora de jogo a ficha não caiu ainda. Os torcedores pedem para tirar foto, eu fico viajando. Estou gostando.

Veja mais trechos da entrevista:

Jogar com Honda e Kalou

— Eu só jogava com esses caras no vídeo game. Não imaginava jogar com eles. Tive muito trabalho para chegar até aqui e agora quero pôr em prática.

PUBLICIDADE

Conheça a melhor linha retrô do Botafogo e ganhe 10% OFF com cupom FOGONAREDE

Entrosamento inicial

— Antes de vir para cá, me preparei muito. Porque time grande você trabalha dobrado. Eu trabalhei dobrado para estar aqui.

Apelido

Babi começou lá em Macaé, no Morro de São Jorge. A rapaziada começou a zoar um ao outro. Começaram a me chamar assim desde criança. Já acostumei. Vi um torcedor me chamando de Ibabhimovic. Eu ri demais com esse apelido. Isso me motiva demais.

Siga-nos no Twitter | Siga-nos no Instagram | Siga-nos no Facebook

Foto: Vítor Silva / Botafogo

Comentários

Sobre Diego Mesquita 1552 Artigos
Botafoguense, 36 anos. Formado em Jornalismo pela FACHA (RJ), trabalhou como assessor de imprensa do Botafogo F.R em 2010. Hoje, é setorista independente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.