Frente parlamentar pauta clube-empresa nesta quarta; programa debate

Loja Casual FC
Clube-empresa Botafogo
Foto: reprodução

Grande esperança de dias melhores para o Botafogo, o clube-empresa foi pauta do programa Seleção SporTV nesta quarta, 8. Integrante da mesa, o jornalista Paulo Vinícius Coelho lembrou a reunião da Frente Parlamentar Mista do Esporte, conduzida pelo deputado Julio César Ribeiro (PRB-DF), nesta terça, às 15h.

Leia mais: Representante de Mikel revela oferta do Botafogo e contato com Mufarrej

O encontro remoto vai discutir o clube-empresa e a mudança da legislação. A ideia é se adequar ao modelo da Federação Espanhola e criar uma linha de crédito para os clubes de até R$ 3 bilhões.

Para acessar o fundo, no entanto, os clubes têm como condicionante implementar o modelo empresa. Embora esta seja a grande pretensão do Botafogo, alguns clubes do país, como o Corinthians, são contrários à mudança de modelo.

Leia mais: Imprensa turca destaca oferta do Botafogo por Obi Mikel

No programa, André Rizek, Petkovic, Carlos Cereto e PVC debateram os prós e contras do clube-empresa.

Petkovic

— Alguns clubes viraram S/A e voltaram atrás. Pode dar um grande problema. Tem muita discussão a se fazer. A ideia é excelente. Acho que é um passo importante para o futebol brasileiro. É bom dialogar sobre.

André Rizek

— Não acho que exista receita obrigatória. Cada clube tem que discutir a sua realidade. O que está muito claro é que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que é torcedor fanático do Botafogo, inclusive, ele é amplamente favorável ao clube-empresa. Ele vê uma grande salvação para o futebol brasileiro. Só me parece que forçar os clubes a virarem empresa para conseguir alcançar a linha de crédito, é uma forma de empurrar o projeto que é de interesse dele, do Pedro Paulo. Isso deveria ser discutido num ambiente um pouco mais calmo.

Leia também: Aprenda agora como ganhar dinheiro investindo em futebol

PVC

— Juridicamente, se você colocar essa condicionante, o clube que não concordar pode ir à justiça e pedir o acesso à linha. Pode derrubar e ter acesso sem a contrapartida.

Carlos Cereto

— A gente ouve há 200 anos que o problema do futebol é que o calendário, que os clubes não viram empresa, os estaduais. Não estou convencido. Sou favorável a um grande debate. O ideal é que os clubes fossem geridos como empresa. Necessariamente não sei se é preciso virar empresa. Tem a questão do imposto. Os clubes não recolhem. Na Espanha, Real Madrid e Barcelona não são empresa.

Comentários

Sobre Diego Mesquita 1552 Artigos
Botafoguense, 36 anos. Formado em Jornalismo pela FACHA (RJ), trabalhou como assessor de imprensa do Botafogo F.R em 2010. Hoje, é setorista independente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.