Autuori garante Honda no Botafogo mesmo sem torcida

Loja Casual FC
Honda Botafogo Bangu
Foto: Vítor Silva / Botafogo

A espera estreia de Keisuke Honda com a camisa do Botafogo, enfim, vai acontecer diante do Bangu, neste domingo, 15, às 16h, no Nilton Santos. É o que garante o técnico Paulo Autuori, mesmo que a FERJ decida por realizar o jogo com portões fechados por conta da pandemia do novo coronavírus.

— A princípio vai jogar. Depende se vai ter jogo, ainda não sabemos. Terá uma reunião e os dirigentes estão à espera do que os governantes vão decidir. A questão é: futebol sem torcida perde um dos protagonistas, que é o público. Tomar a decisão de jogar de portões fechados… Aí eu pergunto: jogadores e comissão estão imunes, são de raças diferentes? Não faz sentido. Se evita para os torcedores, evite para os outros também. Parece que o profissional de futebol é uma raça que está imune a qualquer problema — argumentou em coletiva de imprensa nesta sexta, 13.

Leia também: Aprenda agora como ganhar dinheiro investindo em futebol

Confira outros tópicos da entrevista:

Posicionamento de Honda

— Isso está sendo preparado desde que ele começou a treinar com o grupo. Temos algumas hipóteses, algumas opções. O que é bom, não ter apenas uma. Ele nos dá essa possibilidade. No jogo com o Boavista, como a equipe jogou em termos de escalação? Fica essa dica, é uma opção.

Nazário e Honda podem jogar juntos?

— Dá para jogar o Bruno Nazário e o Honda? Claro que dá. Muda um pouco a característica da equipe. Se isso acontecer, temos que ter atenções a outras situações, que não vou falar aqui para não dar muitas pistas ao adversário.

Como Honda ajuda o grupo?

— Em países como o nosso, ele é, além de outras coisas, um banho de cidadania. Disciplina, lado profissional, como se sente envergonhado se não tiver performance… São coisas do japonês que transcendem o futebol. Como jogador, vai agregar porque joga sempre com o olhar no gol adversário, joga para frente. Temos que saber fazer isso. Se recuar a bola, é para gerar espaço no adversário e ter um caminho mais vertical. Quando ele vai receber a bola, o corpo já está preparado para fazer o jogo fluir para frente. É importante todos os jogadores entenderem isso.

Como o novo coronavírus afeta o futebol?

— Todos nós ficamos sem saber se vai haver ou não os jogos. Tem o jogo do Bangu, depois a Copa do Brasil, mas temos que esperar uma tomada de decisão geral. Isso transcende o futebol. Às vezes parece que o futebol fica alheio, e não é isso. Logicamente que afeta e preocupa. Qualquer cidadão tem algum nível de preocupação. Temos que pensar o futebol dentro desse contexto. Se parar, tem que parar tudo. Se tiver que mudar o calendário, que mude. Não houve Copa do Mundo em tempos de guerra. Hoje, não há guerra entre povos, ainda bem, mas vivemos uma guerra contra um vírus. Precisamos de medidas responsáveis.

— Essas tomadas de decisão têm que ser corajosas. Não importa muito tempo hábil. Me parece que clubes co-irmãos fecharam até para imprensa. É porque afeta todo mundo. Nós, que somos afetados pelo futebol, somos pessoas como as outras. Não podemos ficar alheios. É um respeito que tem haver com todos.

Comentários

Sobre Diego Mesquita 1552 Artigos
Botafoguense, 36 anos. Formado em Jornalismo pela FACHA (RJ), trabalhou como assessor de imprensa do Botafogo F.R em 2010. Hoje, é setorista independente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.