Ricardo Rotenberg admite: ‘Quem trouxe o Honda foi a torcida do Botafogo’

Loja Casual FC
Ricardo Rotenberg Honda
Rotenberg.Coletiva do Comite de Futebol do Botafogo no Hotel Fazenda China Park. 16 de Janeiro de 2020, Domigos Martins, ES, Brasil. Foto: Vitor Silva/Botafogo. rImagem protegida pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.
Ricardo Rotenberg Honda
Rotenberg deu detalhes da contratação de Keisuke Honda pelo Botafogo. Foto: Vitor Silva/Botafogo.

Keisuke Honda foi anunciado oficialmente nesta sexta (31) como jogador do Botafogo. Segundo Ricardo Rotenberg, responsável pela negociação com o astro japonês, um fator foi fundamental para decisão do meia: a torcida.

— Quem trouxe o Honda foi a torcida do Botafogo. Ela mandou mais de 30 mil mensagens em japonês para ele. Mandou a tradução do hino do Botafogo em japonês. A decisão deve-se muito à torcida. O Marcos Leite, intermediário, foi corretíssimo também. Honda vem com muita vontade de jogar bola.

Em entrevista à Rádio Brasil, o Rotenberg também deu mais detalhes da contratação de Honda pelo Botafogo. Confira:

Negociação e acerto

— Foi uma negociação difícil, porque a cultura é diferente. A maneira que o japonês trata é totalmente diferente de nós ocidentais. Mas aí eu acho que graças a grande mobilização da torcida botafoguense, o Honda percebeu que ele seria muito bem vindo no Rio de Janeiro, no Botafogo. E está vindo aí para jogar no Clube nesta temporada. Acho que a vinda dele será importante dentro e fora de campo. Ele vai ser fundamental para a parte comercial.

Honda é um jogador de três Copas do Mundo, passou no Milan, se cuida muito. Está muito disposto para aparecer no futebol para jogar as Olimpíadas.

— Recusou proposta de vários clubes do continente asiático, além de um clube da Espanha. E nos escolheu pela mobilização da torcida, pelo tamanho do Botafogo. Volto a repetir: no Brasil, o único concorrente nosso é o Santos, que também contribuiu para o futebol brasileiro. E ele sabe disso. Vai vir para o Botafogo jogar com a camisa que ele gosta, a 4. É a marca dele. Estou muito feliz.

PUBLICIDADE

Gabriel Cortez

— Está chegando também e acredito muito nele. Também é meia, extremamente habilidoso. Parece com o meia do Atlético-MG.

Relação do Japão com Botafogo

— As entidadades japonesas no Brasil já estão mandando mensagens para o Botafogo, nos felicitando por contratarmos talvez o maior jogador do futebol japonês num clube da expressão do Botafogo. O Rio tem uma colônia japonesa. É uma felicidade para todos nós!

Chegada de Honda

— Pela vontade dele, queria pegar o vôo amanhã. Mas eu pedi calma porque nós queremos organizar a chegada dele. Vamos conversar. O Botafogo tem um jogo muito importante quarta que vem contra o Caxias. A ideia é chegar pouco depois disso, provavelmente sexta ou sábado. Nós estamos trazendo dois profissionais pagos por ele para preparação física dele. É um jogador que tem a envergadura, por exemplo, do Seedorf, que veio há cerca de oito anos. A grande vantagem do Honda no Brasil é que o país tem a primeira colônia japonesa fora do Japão. Ele vai se sentir em casa.

Acerto com Honda

— A torcida do Botafogo não tem que agradecer só a mim não. Precisamos agradecer ao presidente Nelson Mufarrej, porque ele exigiu o jogador pela sensibilidade do que viu da torcida. Além disso, Manoel Renha, Montenegro e Cláudio Good. O outro fator é a grande motivação que o Valentim tem em recebê-lo. Ele elogiou muito o atleta para mim. Foi um trabalho de equipe.

Camisa 4

— O irmão consultou o Honda e ele disse que quer a 4. Nós vamos respeitar. Inclusive quero avisar aos botafoguenses que já encomendamos uma quantidade enorme de camisas. É uma camisa legal. Nós vamos mostrar em uma semana. Se ele chegar no sábado, ele vai no jogo contra o Fluminense no Maracanã para assistir o jogo. Não vai no gramado. Vai no camarote conosco, próximo à torcida do Botafogo. Tenho certeza que a torcida vai comparecer em peso para vê-lo.

Comentários

Sobre Diego Mesquita 1552 Artigos
Botafoguense, 36 anos. Formado em Jornalismo pela FACHA (RJ), trabalhou como assessor de imprensa do Botafogo F.R em 2010. Hoje, é setorista independente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.