Paulo Autuori explica opção por Honda mais recuado no Botafogo

Loja Casual FC
Autuori Honda Botafogo
Foto: Vítor Silva / Botafogo

Meia de origem, o Keisuke Honda tem atuado mais defensivamente no Botafogo de Paulo Autuori. O posicionamento na equipe causou estranheza da torcida alvinegra, que esperava ver o astro japonês de 34 anos mais próximo do gol. O técnico, no entanto, justificou a opção para o deslocamento de Honda no meio-campo.

— Fisicamente se cuida muito, apesar da idade. Trouxe o Honda um pouco para trás para tentar qualificar a saída, já que é um jogador que erra muito pouco passe. Tem um jogo muito vertical. Está sempre pensando em fazer a bola chegar para frente. Isso é característica dele – disse em entrevista à Rádio Tupi.

Leia mais: Luis Henrique deve deixar o Botafogo na próxima janela, revela Autuori

Conheça a melhor linha retrô do Botafogo e ganhe 10% OFF com cupom FOGONAREDE

Na prática, Honda desempenha o papel por vezes feito por Cícero no Botafogo. Com isso, a proteção defensiva do setor de meio fica a cargo de Honda e Caio Alexandre, volante de origem. Autuori já reiterou sua preferência por volantes que saibam jogar, criar. Não por acaso desenhou o time mais técnico, com duas peças capazes de qualificar o jogo no setor de criação.

Leia mais: Autuori não descarta reforços, mas ressalta prioridade no Botafogo: ‘Pagar funcionários’

Autuori Honda Botafogo
Por opção de Autuori, Honda tem jogado mais recuado no Botafogo. Foto: Vítor Silva / Botafogo

Time competitivo

Os ajustes fazem parte da preparação do Botafogo para o Campeonato Brasileiro. Para a competição, aliás, Autuori pretende ter uma equipe competitiva, dada a dificuldade do torneio nacional.

— Desejo ter uma equipe competitiva. Não estou falando em coisas maravilhosas em termos técnicos, porque a gente sabe nossa realidade. O Campeonato Brasileiro é muito complicado. Você vai começar a competição contra o Bahia, que está junto há algum tempo com o Roger. Tem uma equipe que sabe o que quer. É um jogo que você tem obrigação de ganhar. Depois, pega o Red Bull Bragantino lá. Na sequência, Fortaleza lá e depois volta para cá para pegar um Atlético-MG. Esse é o Brasileiro. O que eu tenho é coragem. É o que peço aos jogadores diariamente. O adversário pode ser melhor que nós tecnicamente, mas isso não é garantia de que eles vão ganhar. Podemos não ser melhor do que eles, mas estar melhor.

Siga-nos no Twitter | Siga-nos no Instagram | Siga-nos no Facebook

Comentários

Sobre Diego Mesquita 1552 Artigos
Botafoguense, 36 anos. Formado em Jornalismo pela FACHA (RJ), trabalhou como assessor de imprensa do Botafogo F.R em 2010. Hoje, é setorista independente.

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.