Marcinho admite crescimento e sonha com Botafogo na Libertadores

Loja Casual FC
Marcinho Botafogo
Marcinho reassumiu a lateral-direita do Botafogo. Foto: Vitor Silva/BFR.

Depois de cinco jogos na reserva, o lateral Marcinho reconquistou a posição no Botafogo. Na partida contra o Avaí, foi dele a assistência para o gol de Marcelo, que sacramentou a vitória por 2 a 0 do Alvinegro em Florianópolis.

Mais seguro na defesa e confiante nas partidas, Marcinho falou com a imprensa antes do treino do Botafogo desta quarta (7), no Nilton Santos.

Confira a íntegra da entrevista:

VAIAS DA TORCIDA
— Eu convivi quase um ano com as vaias, era sempre assim, mas conseguia passar por cima. Tive momentos muito bons mesmo com a vaia me acompanhando. Tem momento que você não consegue mais reverter aquilo. Ter todo dia ou todo fim de semana ver uma pessoa dizendo que você é ruim. Graças a Deus tenho confiança plena do clube. Vi que sou muito querido, não só por comissão, companheiros. Conversei muito com o Barroca, conversei muito com o Paulo Ribeiro, nosso psicólogo. Cresci muito.

RESERVA
— Esse momento foi muito mais importante para mim do que para qualquer outra pessoa. Cresci muito nesse período, parei para refletir sobre as coisas que fazia de bom e não eram valorizadas. Olhei também para os meus defeitos. Nesse período sabático, em que você olha para os acertos e defeitos são importantíssimos. Você cresce como pessoa.

HÁBITOS CULTURAIS
— Não sou muito fã de leitura, tomo puxão de orelha dos meus pais, da minha irmão, mas tenho lido um livro que um amigo meu esqueceu no meu carro. Li “Sapiens”. Minhas músicas de sempre. Tenho bastante coisa que eu gosto. John Legend, Aretha Franklin. É diferente. Gosto muito de samba, muito de pagode, tenho meus momentos de festa de samba. São ritmos que gosto de escutar.

REFLEXÃO DURANTE A RESERVA
— Acho que estava tudo mais na minha cabeça. Não tinha mais força para atacar, driblar, fazer meus cruzamentos e chutar no gol. Não conseguia reverter aquilo para ter força em campo. Foi o que eu consegui recuperar.

PRETENSÕES DO BOTAFOGO NO BRASILEIRO
— Mirar o mais alto da tabela possível, sabemos que temos limitações. Santos que está na primeira colocação não era um dos favoritos. A gente ter saído de competições que dividiam o foco pode fortalecer. Nossa real ambição é a Libertadores, é mirar os quatro primeiro lugares do campeonato. Pode ser clichê, mas temos que mirar jogo a jogo. É um campeonato muito longo. Quanto mais a gente subir, a gente mira outros resultados.

PACIÊNCIA COM JOVENS
— Óbvio que atrapalha. Você ter todo dia alguém te criticando e te jogando para baixo, infelizmente isso vai bater em você. Infelizmente e felizmente a torcida trabalha com paixão. Pegam mais no pé com as crias da base por conta da identificação e pelo carinho grande que temos pelo clube. Não posso falar por eles. Se tivesse um pouco mais de paciência, acredito que seria mais fácil, mas é paixão, é amor, e isso é difícil de se controlar.

RETORNO DE GRANDES NOMES AO BRASIL
— Muito bom ver o melhor lateral da história, tem 40 títulos o Daniel Alves. Não tem quem negue a qualidade desse jogador. Vai engrandecer a qualidade do campeonato. Quando era espectador, Ronaldinho, Seedorf, Fred, voltando da França, eles engrandeceram muito o nosso campeonato. Num momento muito complicado do país, violência, e política muito conturbada, acho que isso acalma nosso coração. É muito bom ter esses caras aqui.

INÍCIO DE SUA EVOLUÇÃO
— Desde o momento em que comecei a treinar bem, até antes da parada. Me senti muito bem nos treinamentos. Nesse momento percebi que as coisas iam sair naturalmente. Fernando vinha fazendo muito bem a parte dele, é um moleque que admiro muito e que trabalha comigo desde a base. Respeito muito o que ele vinha fazendo. Tudo tem que acontecer naturalmente, não adianta gritar ou espernear. A melhor maneira é fazer sua parte.

CONVERSA COM PSICÓLOGO DO CLUBE
— Conversa franca, troca de sentimentos. Não posso abrir tudo, mas é uma conversa de sentimentos. Ser franco, expor o sentimento, botar essa energia ruim para fora. Assim, você vai crescendo. Ser feliz.

IMPORTÂNCIA DE BARROCA
— Não tenho palavras para descrever o Barroca, sempre teve relação aberta comigo, franca. Ele não tem medo de ser verdadeiro. Nossa conversa foi mais de falar o que estávamos sentindo. Ele é um cara especial não só no futebol, mas na minha vida é um cara muito importante.

Com Marcinho titular, o Athletico/PR é o próximo desafio do Botafogo, domingo, às 16h, no Nilton Santos.

Comentários

Sobre Diego Mesquita 1552 Artigos
Botafoguense, 36 anos. Formado em Jornalismo pela FACHA (RJ), trabalhou como assessor de imprensa do Botafogo F.R em 2010. Hoje, é setorista independente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.