Autuori esboça Botafogo contra Boavista com Cortez: ‘Bem viável’

Loja Casual FC
Autuori Botafogo Boavista
Foto: Vítor Silva / Botafogo
Autuori Botafogo Boavista
Autuori deve começar com Cortez na partida entre Botafogo e Boavista. Foto: Vítor Silva / Botafogo

O técnico Paulo Autuori deve promover a estreia do equatoriano Gabriel Cortez no Botafogo contra o Boavista, neste domingo, 1, às 19h, no Nilton Santos. Em entrevista coletiva nesta sexta, 28, o treinador deu pistas sobre a equipe.

— A situação do Honda é normal. Vivi no Japão e sei das dificuldades sobre visto de trabalho. Quando nós vamos para lá também é um processo complexo. Tem a ver com a cultura de lá também. Sobre o Cortez, já está em condições e é uma opção. É uma opção bem viável. Vamos aproveitar hoje e amanhã para fazer alguns ajustes sobre a equipe que vai iniciar. Não vai ser muito diferente da que jogou contra o Náutico – garantiu.

Vejam mais declarações:

Espinosa

— Não cabem palavras em um momento como esse. A grande lição que o Espinosa deu no futebol é que é possível ser vitorioso com dignidade e caráter. Foi um vitorioso na vida, campeão da vida. É uma responsabilidade grande de todos nós, porque ele queria ver a estrela do Botafogo brilhar de novo. Perdemos uma grande figura, um ídolo do Botafogo.

— Aconteceu muita coisa em pouquíssimo tempo e foi tudo marcante. Curti muito estar com o Espinosa, assim como curti estar com o Abel. É possível profissionais como nós estarmos juntos em funções distintas. Curti muito esse momento, mas não vai ser mais possível. Continua dentro de mim o compromisso com ele e com a instituição. Só posso retribuir isso com muito trabalho e dedicação

Honda

— Tenho conversado bastante com ele. A ideia é ele absorver alguns conceitos táticos. O que não vai ser difícil, porque ele já trabalha há muito tempo com isso, veio da Europa. Ter isso no campo facilita o trabalho de qualquer treinador. Fizemos jogos-treinos até para dar essa experiência a ele, mais ritmo de jogo. Ele vai estar em condições de estrear assim que esteja regularizado fora de campo. Espero que seja contra o Flamengo.

Preparação

— Seria muita pretensão dizer que vai mudar muito. Falo com os jogadores da importância daquilo que eles sentem que conseguiram pegar do Valentim para dar continuidade. Essa quebra de processo fica muito confusa para o jogador. Estou à disposição para dar continuidade e somar. É muito pouco tempo. Temos uma competição e precisamos de resultados. Deu tempo de passar algumas coisas. Vamos tentar apresentar e cabe a vocês (jornalistas) analisarem.

PUBLICIDADE

Dificuldades do time

— Minha visão é mais sistêmica, não acho que é problema só de finalização. O erro na finalização é resultado de uma série de fatores. Não é só ir para o campo e rolar a bola para finalizar. Tem um contexto do jogo, a parte emocional… Alguns jogadores sentem mais, outros menos. Peço a eles coragem de tentar algo diferente, correr riscos. O Botafogo tem uma história extraordinária, mas passa por um momento difícil. Tem uma torcida que quer bons jogos e vitórias, e é isso que vamos buscar. Temos que pensar grande.

Pedro Raul

— O Pedro Raul está em processo de recuperação. Sentei com ele e com o departamento médico e disse que era um jogador muito importante. Por isso fizemos um sacrifício contra o Náutico. Depois, veríamos um tempo maior para recuperar. Definimos isso. Se tiver que ficar fora desse jogo, vai ficar. Foi pré-determinado. Acho difícil ele ir para esse jogo, mas não vou cravar. Não quero jogar vocês (jornalistas) para o erro.

Ruan Renato

— O Ruan Renato jogou, foi bem. Deve jogar.

Yaya Touré

— O assunto está com a direção. Só falo de qualquer jogador quando se tornar realidade no clube.

Mudanças no elenco

— O calendário brasileiro é ridículo e faz com que os clubes inchem o grupo de trabalho. Porque é jogo toda hora. Isso dificulta a qualidade do treino, e alguns jogadores ficam durante toda a temporada sem a oportunidade necessária. Acho que há um desperdício enorme de jogadores de até uns 21 anos, por exemplo. Porque você lança muito cedo, ele não vai bem… Queremos trabalhar com um grupo menor. Resolveríamos isso com times sub-19 e sub-21, porque é até essa idade que os atletas estão em desenvolvimento. E isso faria com que nós não inchássemos o grupo principal. Seria um processo a ser feito, dentro de um planejamento. Nós estamos longe disso ainda, por uma série de motivos. Mas, queremos entrar nesse caminho. Estamos conversando com a direção, eles estão nos apoiando. Estamos refletindo o futebol como um todo.

Comentários

Sobre Diego Mesquita 1552 Artigos
Botafoguense, 36 anos. Formado em Jornalismo pela FACHA (RJ), trabalhou como assessor de imprensa do Botafogo F.R em 2010. Hoje, é setorista independente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.