Consultoria analisa finanças do Botafogo; veja relatório completo

Loja Casual FC
Botafogo dívida Nilton Santos
Arte: Diego Mesquita

Em live nesta quarta, 13, a PLURI Consultoria analisou as finanças do Botafogo. Com participação de Fernando Ferreira, diretor da empresa e Munir Dargham, analista de mercado da PLURI, o estudo se aprofundou nos números da última decada do Clube.

Leia mais: Empresário elege seu sonho de jogador para o Botafogo: ‘Iniesta’

Com uma dívida estimada em R$ 1 bilhão, o Alvinegro sonha com a implementação da Botafogo S/A para voltar a respirar. Para Fernando Ferreira, a única saída do Clube é ter injeção de capital externo para resolver as despesas.

— A melhor estratégia do Botafogo é seguir o projeto da EY, que seria antes sanar o Clube e depois ir ao mercado – disse.

Baixe o relatório completo:

Caso tenha dificuldade para baixar, acesse o relatório por aqui.

A PLURI também pontuou os principais itens de melhora e piora das finanças do Botafogo.

Principais itens de melhora

Receita bruta subiu 17% para R$ 213,6 milhões

Receita com vendas de atletas subiu 41% para R$ 38,8 milhões

Receita com matchday subiu 38% para R$ 16,7 milhões

Receita com marketing + comercial 47% para R$ 9,3, milhões

Relação dívida líquida / receitas totais caiu 3,85x

Leia mais: Juventus traça estratégia por Luis Henrique, do Botafogo, diz site

Principais itens de piora

Receita com Transmissões caiu 14% para R$ 81,3 mi

Envividamento líquido subiu 7% para nível recorde de R$ 893,1 milhões

Despesas totais subiram 17% para R$ 234,4 milhões, nível acima da taxa de crescimento das receitas

Despesa financeira líquida subiu 19% para R$ 37,8 milhões

Necessidade de capital de giro subiu R$ 270,6 milhões

Déficit do exercício subiu 21% para R$ 20,8 milhões

Passivo a descoberto subiu 3% para R$ 729,2 milhões

Veja outros trechos da análise:

Clube-empresa x clube associativo

— Não podemos ter a ditadura do associativismo. No Brasil você não pode, efetivamente, virar um clube-empresa. É preciso fazer um puxadinho. É preciso que o clube possa escolher, inclusive. Não acho que Flamengo, Internacional e Grêmio, por exemplo, não precisem virar. Por uma característica. Hoje no futebol brasileiro você só pode ser clube associativo. O clube europeu, que tem acionista, hoje na pandemia, pode recorrer a ele para resolver o problema. E os clubes associativos?

Conheça a melhor linha retrô do Botafogo e ganhe 10% OFF com cupom FOGONAREDE

TV como principal receita

— Você tem que ter um negócio mais bem distribuído. O Botafogo depende muito de TV. Você não pode ter 50% de dependência da TV. Para este momento, na terra arrasada que a covid-19 gerou, não é de todo ruim. Porque você não tem bilheteria, venda de jogador. Mas fora deste cenário, é preciso fomentar outras receitas. De fato, a receita do Botafogo vindo do torcedor é muito baixa. Clubes muito menores têm melhor performance neste quesito.

Leia mais: Coronavírus: Matheus Fernandes, ex-Botafogo, testa positivo para doença

Receitas diretas

— Aquelas que vêm do bolso do torcedor, PPV, loja própria, bilheteria, sócio-torcedor. R$ 43 milhões é o valor que o Botafogo teve de receita no ano. É muito baixo! O Bahia tem um número melhor que esse, o Fortaleza. É um trabalho que tem que ser feito.

Venda de jogador

— Explica boa parte do problema histórico de receitas do Botafogo. O ano que o Botafogo mais faturou foi 2013. Em 5 anos, o Botafogo teve R$ 84 milhões de receita com venda de jogador. O Vasco, que vendeu mal, fez R$ 185 milhões. O Flamengo, em três anos, fez R$ 700 milhões de receita com venda de jogadores. A venda de jogador do Botafogo é historicamente muito ruim. Quando você faz uma venda ruim, é uma coisa. O Botafogo vende mal o tempo todo. É a raiz do problema. O clube não visita o mercado de venda de jogadores, ainda que esteja no mercado que mais fornece atletas para o futebol mundial. O que o Santos recebeu pelo Rodrygo, o Botafogo precisou de 10 anos para receber.

Comentários

Sobre Diego Mesquita 1552 Artigos
Botafoguense, 36 anos. Formado em Jornalismo pela FACHA (RJ), trabalhou como assessor de imprensa do Botafogo F.R em 2010. Hoje, é setorista independente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.