Montenegro fala sobre aprovação da Botafogo S/A: ‘Feliz porque o Clube tem futuro’

Loja Casual FC
Montenegro Botafogo S/A
Reuniao do Conselho Deliberativo em General Severiano. 12 de Dezembro de 2019, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Foto: Vitor Silva/Botafogo. rImagem protegida pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.
Montenegro Botafogo S/A
Montenegro acredita que Botafogo S/A vai mudar história do Clube. Foto: Vitor Silva/Botafogo.

Por unanimidade, o Conselho Deliberativo aprovou, nesta quinta (12), a implementação do modelo clube-empresa a partir desta temporada. O projeto é visto como a última chance de sobrevivência do Clube no cenário nacional. Entusiasta do projeto, Montenegro celebrou o marco histórico do clube com a Botafogo S/A.

— Um dia que vai mudar a história do Botafogo, em que o Conselho Deliberativo deu aval, com louvor, a todo o trabalho feito. Acho que agora passa a ser o pioneiro de clube-empresa no Brasil. Os clubes têm que sair com essa solução, até porque é o que acontece no mundo. A gente não tem que inventar. Era muito difícil continuar do jeito que estava. A gente ia ficar sempre disputando não cair para a Série B, evitar quedas. Com isso, a gente tem a chance de voltar a disputar todos os campeonatos. Estou muito feliz porque sei que hoje o Botafogo tem futuro.

Após a sessão, o dirigente do Alvinegro conversou com a imprensa e deu mais detalhes sobre o momento do Botafogo.

A queda de investimento na folha, de R$ 3 milhões para R$ 1 milhão, vai ser tratado como regra?

— Isso é um período de transição, porque a gente não tem ainda investidor. Então, a gente está com salários atrasados, fornecedores atrasados. A gente tem que botar o pé no chão. Não adianta gastar sem ter dinheiro. A gente espera que essa redução seja por um período curto. Assim que entrar investidor, aí volta ao normal. É aí que a gente volta a disputar campeonatos.

A redução é desta ordem mesmo?

— É em torno disso. A gente não está fazendo mágica. Acabou o contrato, liberou. Só essa liberação representa uma redução de 1 milhão e meio aproximadamente.

Paciência do torcedor

— O torcedor entende, sabe que a gente não tem como inventar. O torcedor não aguenta mais humilhação, com times fracos, não disputando campeonatos e sim torcendo pelos outros para não cair. Agora a gente tem que tentar abreviar o máximo possível essa transição. Agora além de trabalho, tem que dar sorte de encontrar os investidores para realmente a gente virar um clube-empresa.

Sentimento sobre redução de folha

— Sentimento triste. Ainda bem que está acontecendo no começo do ano. Campeonato estadual. É correr para ver se no Brasileiro a gente já melhora e recebe um oxigênio e possa disputar, mas eu sempre fui mais torcedor do que dirigente. Dirigente eu sou quebra galho, me chamam às vezes para ajudar.

O prazo de 3 a 5 meses para virar empresa é realista ou otimista?

— Realista.

O Botafogo vai ter que negociar jogadores ainda?

— O Botafogo sempre esteve aberto para negociar. Se aparecer qualquer proposta, nós vamos estudar. Não tem jogador inegociável.

Quais foram os critérios para contratar o Valdir Espinosa?

— Um ídolo do Botafogo. Já foi jogador, já foi técnico, gerente, diretor técnico. Todos botafoguenses gostam muito dele. Ele estava fora do mercado e resolveu vir ajudar. Vai ser importantíssimo nessa posição. O Botafogo deve muito a ele.

O Espinosa chega com prazo?

— Não, o Espinosa chega até a gente virar clube-empresa. Dependendo do trabalho, quem comprar pode continuar com ele ou não.

Leo Valencia está nos últimos dias no Botafogo?

— Leo Valencia tem mais 5 meses de contrato. Vamos conversar com ele para ver se ele procura a vida dele, um outro clube, é importante para gente o alívio na folha. É um jogador que a torcida, infelizmente, não gosta. Ele não se adaptou ao Botafogo. Cheio de altos e baixos. Acho que é melhor começar uma vida nova e ser sincero. A gente tem que pagar todas as obrigações que têm com ele e liberar. Vamos ver se ele aceita.

Comentários

Sobre Diego Mesquita 1552 Artigos
Botafoguense, 36 anos. Formado em Jornalismo pela FACHA (RJ), trabalhou como assessor de imprensa do Botafogo F.R em 2010. Hoje, é setorista independente.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.